domingo, 15 de abril de 2018

Correr o mundo


Já perdi sono demais por você
Acordar de madrugada suado
Pular da cama feito Lobo
Andar pela casa perdido e mudo

Agora quero ser amado ao sol
Andar na praia com novo corpo
Olhar nos olhos sem vergonha
Gritar para o mundo que amei

Não! não quero mais te ver
Não! não vou padecer desse amor
Vou correr o mundo e viver
Parei de sofrer, quero novo amor

Vou xoteá encima do passado
Perdi tempo na escuridão
Pegar nova mão e voar alto
Vai embora, sai solidão!

Sem perder mais tempo
Não vou olhar para trás
Seguir a vida Cantando
Outro salão, dança e corpo

Não! não quero mais te ver
Não! não vou padecer desse amor
Vou correr o mundo e viver
Parei de sofrer, quero novo amor


Foto: Rubensdam

quinta-feira, 29 de março de 2018

Nunca Mais











Hoje com a garganta seca
Não consigo forrar minha cama
Nem Limpar a casa ou corpo
Dez anos contaminados
Traição, Planos destruidos

Hoje amanheci criança cega
Com Choro ingênuo e perdido
Voei agressivo e longe
Com medo de ficar só

Cadê seu sorriso?
Cadê sua felicidade?
Cadê sua Tatuagem?
Cadê sua liberade?

A foto apaga com tempo
Uma vida tirada no sopro
Um choro contido de criança
Num quarto sombrio e frio

Nunca mais quero te ver
Nem em pensamento
Que eu seja perdoado
Por palavras mau ditas

Cadê seu sorriso?
Cadê sua felicidade?
Cadê sua Tatuagem?
Cadê sua liberdade?

Ao fechar a porta do coração
Não peça perdão,
nem mesmo pra entender
Não peça perdão,
nem mesmo pra entender.

Nunca mais quero te ver
Nem em pensamento
Que eu seja perdoado
Por palavras mau ditas

Cadê seu sorriso?
Cadê sua felicidade?
Cadê sua Tatuagem?
Cadê sua liberdade?

Foto: Rubensdam

quarta-feira, 14 de março de 2018

Fatalmente, um dia!











Talvez,
não soube te amar

Fatalmente,
A brincadeira nos deixou nus!

Talvez,
O detalhe escapou

Fatalmente,
A fala, um gesto leve

Talvez,
Rosa vermelha, cor errada

Fatalmente,
A música e o beijo

Talvez...
Fatalmente...
A Vida!

Amo.

Foto: Rubensdam

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Aos 50 anos














Bati na sua porta, estava sem rumo
Fraco, bebado, na mão whiskey
Na boca o amargo do tempo
Em meio século morri!
Na rede, todos dormem
Não quero repetir o balanço
Nem mesmo o aperto de mão
Nem mesmo flor
Nem mesmo dor
Nem mesmo o amor!
Meio século pra nada?
Por nada?
Pai! duas filhas e um erro.
Meu erro...
Sem tempo de culpar a mão
Sem tempo para traição
Sem tempo pra converçar
Sem tempo para o outro
Bati na sua porta, pois estava nu!
O coração doente, corpo magro
A sua paciência me fez cor
O seu sorriso me dar luz
O seu cheiro me dar paz
O seu beijo...
é amor!

Foto: Rubensdam

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Chuva















Chove na madrugada
Lava a dor e pensamentos
Lava nossos corpos beijados
Banha nossa alma inconformada
Mas, traz algo para nosso amor
Chuva! não leve as nossas lembranças
Chuva! não lave nosso perfume
Chuva! não leve a paixão
Chuva! Nos sentimos um só!
Os pingos d águas diziam a direção
Forte chuva, linda paisagem
O cheiro da terra une os corpos
Molhados, deitados livres na praia
A chuva é vida, e onde nos leva?
Nos molhamos
Nos amamos
Nos esquecemos da...
Chuva.

Foto:RubensDAM